Desmistificando a lenda de uma alma imortal

30 de agosto de 2013

Novos céus e nova terra


Em 2ª Pedro 3:13 temos uma revelação importante que nos ajuda a compreender o caráter da transformação completa do Universo por ocasião do estabelecimento do Reino de Deus entre os homens:

“Naquele dia os céus serão desfeitos pelo fogo, e os elementos se derreterão pelo calor. Todavia, de acordo com a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, onde habita a justiça (cf. 2ª Pedro 3:12,13)

Note que Pedro não diz que Deus fará novo céu e nova terra, mas novos céus, no plural. Como o primeiro Céu é a atmosfera do nosso planeta, o segundo Céu é o espaço sideral onde o sol, a lua e as estrelas estão situados, e o terceiro Céu é a dimensão espiritual onde Deus habita, a menção a Deus criar novos céus, no plural, compreende todo o Universo cósmico e todas as dimensões, abrangendo não apenas a atmosfera terrestre (primeiro Céu), mas tudo (céus, no plural). Isso fica ainda mais claro quando vemos os léxicos do grego traduzirem essa palavra utilizada por Pedro da seguinte forma:

3772 ουρανος ouranos
talvez do mesmo que 3735 (da idéia de elevação); céu; TDNT - 5:497,736; n m
1) espaço arqueado do firmamento com todas as coisas nele visíveis.
1a) universo, mundo.
1b) atmosfera ou firmamento, região onde estão as nuvens e se formam as tempestades, e onde o trovão e relâmpago são produzidos.
1c) os céus siderais ou estrelados.
2) região acima dos céus siderais, a sede da ordem das coisas eternas e consumadamente perfeitas, onde Deus e outras criaturas celestes habitam.

Perceba a amplitude que essa palavra possui, abrangendo todo o mundo, o universo, todos os “céus”. Ela abrange tanto o nosso mundo visível como o invisível, tanto a nossa atmosfera terrestre como também a região acima dos céus siderais, onde Deus e outras criaturas celestes habitam. Em outras palavras: tudo! Então, quando Pedro diz que Deus fará novos céus (ouranos) e nova terra, ele não está dizendo aquilo que a concepção popular acredita a este respeito, de que apenas a terra e a atmosfera da terra passarão por transformação (se fosse assim, ele teria empregado a palavra ouranothen, com significado bem mais modesto[1]), mas se referia a todas as dimensões do Universo.

E quais são as implicações disso?

Muitas, em todos os sentidos. Em primeiro lugar, porque o próprio Pedro diz na sequencia que nessa nova criação, com novos céus e nova terra, habitará a justiça (cf. 2Pe.3:13). Não haverá iniquidade nessa nova criação, com ímpios blasfemando enquanto são atormentados para sempre em um lago de fogo e enxofre real e literal. João também completa o pensamento de Pedro dizendo que nessa Nova Ordem já não haverá morte, nem tristeza, nem choro, nem dor, porque essas são coisas da antiga criação (cf. Ap.21:4). Desta forma, é impensável crer que nessa nova criação haverá um lago de fogo queimando bilhões de criaturas infieis a Deus, chorando, tristes, sofrendo horríveis dores, em processo contínuo de morte, todas essas coisas que batem de frente com aquilo que João diz sobre essa nova criação de Deus, que se refere a todo o Universo criado e não apenas aos justos.

Em segundo lugar, se o lago de fogo é um retrato real e literal de um “inferno” sobre a terra, então para onde teriam sido levados os perdidos após a transformação total do Universo? Ora, a descrição dos ímpios como sendo “devorados” pelo fogo que caiu do Céu (cf. Ap.20:9) vem antes da descrição de novos céus e nova terra (cf. Ap.21:1), antes da transformação total do Universo. Para os ímpios continuarem queimando em algum lugar, a Bíblia deveria descrever que esse lago de fogo foi transferido para algum local do Universo para ali continuar queimando eternamente, até porque na nova terra não haverá mar (cf. Ap.21:1).

Contudo, não há nenhuma informação de que tal lago de fogo se transfira para outra parte do Universo para ali continuar queimando eternamente ou que continue em funcionamento após a criação de novos céus e de nova terra. A razão para isso é que eles não vão a lugar algum, porque o lago de fogo é a segunda morte, a morte final e irreversível, e não um lugar físico literal na superfície da terra.

Em terceiro lugar, o autor de Hebreus nos disse que a missão de expiatória de Cristo é de “aniquilar o pecado” (cf. Hb.9:26). Mas como isso pode ser colocado em prática de fato, se para sempre existirão ímpios e demônios subsistindo eternamente em um lago de fogo, sofrendo e blasfemando contra Deus? Ora, só é possível aniquilar o pecado se aniquilar os pecadores, pois o pecado não é como um objeto que se destrói, mas uma ação que provém de uma pessoa. Portanto, para aniquilar o pecado, é necessário aniquilar os pecadores. Doutra forma, para sempre haveria no mundo um “ponto negro” no Universo, onde bilhões de criaturas dão gritos de angústia e dor, blasfemando contra Deus e o Cordeiro, se odiando mutuamente e conservando todo tipo de mal em si mesmos. O pecado nunca seria aniquilado, porque para sempre haveriam pecadores. Como diz Bacchiocchi:

“O propósito do plano de salvação é, por fim, erradicar a presença de pecado e pecadores deste mundo. Apenas se os pecadores, Satanás e os anjos maus por fim forem consumidos no lago de fogo e experimentarem a extinção da segunda morte é que verdadeiramente podemos dizer que a missão redentora de Cristo foi uma vitória inigualável. O tormento infindável lançaria uma sombra permanente de trevas sobre a nova criação”[2]

Na nova criação, não haverá nem raiz e nem ramo do pecado, nem sequer um único átomo ou parte de um átomo, de sofrimentos ou de vestígios do pecado em todos os recantos do Universo restaurado sob a Nova Ordem, durante a eternidade. Essa visão bíblica está aliada ao quadro de transformação da criação à sua perfeição original, longe do pecado e de pecadores, enquanto a visão imortalista crê que para sempre haverá pecado e pecadores, eternizando as blasfêmias e perpetuando o pecado, semelhante ao quadro atual em que vivemos hoje.

Em quarto lugar, o apóstolo Paulo disse que nele [em Deus] vivemos, e nos movemos, e existimos (cf. At.17:28). Tendo em vista que nós só existimos em Deus, é impossível que o lago de fogo se refira não a uma morte real como cessação de existência, mas meramente como uma morte espiritual como separação de Deus, pois ninguém pode viver completamente separado de Deus e continuar existindo. Enquanto estamos nesta vida, Deus mantém todos em existência, pois para todos ainda há possibilidade de arrependimento para a vida eterna. Mas qual seria o sentido em manter bilhões de criaturas em existência se elas já foram condenadas?

Evidentemente, nenhuma. A existência somente em Deus é uma prova irrefutável de que somente aqueles que estão em Cristo desfrutarão de uma existência eterna no futuro. Sustentar que os ímpios também terão uma existência eterna é se contrapor à doutrina bíblica de que somente em Deus existimos, apenas nEle podemos existir eternamente. Foi por isso que Cristo disse que ele é “o caminho, a verdade e a vida (cf. Jo.14:6), porque não existe vida longe de Deus.

Em quinto lugar, essa nova criação ocorrerá “para que Deus seja tudo e em todos” (cf. 1Co.15:28). Note que a construção da frase está no futuro – para que Deus seja (ele não é ainda!) tudo e em todos! Por que Deus ainda não é tudo e em todos? Por que isso somente ocorrerá no futuro, como aponta Paulo neste verso? Porque enquanto existirem ímpios e pecadores, demônios e homens maus, Deus não pode ser “em todos”, pois Ele não habita nessas pessoas. Deus habita apenas naqueles que são seus filhos, através do seu Espírito Santo. Foi por isso que Jesus disse:

“E eu pedirei ao Pai, e ele lhes dará outro Conselheiro para estar com vocês para sempre, o Espírito da verdade. O mundo não pode recebê-lo, porque não o vê nem o conhece. Mas vocês o conhecem, pois ele vive com vocês e estará em vocês (cf. João 14:16,17)

Deus não habita nas pessoas “do mundo” (ímpios), mas habita em nós (Igreja) através do Seu Espírito. Por essa razão Paulo deixa claro que Deus ainda não é em todos: porque Deus não pode habitar em ímpios. Enquanto existirem ímpios, Deus não será em todos, mas apenas em alguns, nos salvos. Futuramente, porém, quando os ímpios e o diabo forem completamente aniquilados e perderem a existência, Deus será tudo e em todos! Não existindo ímpios, mas apenas santos, Deus está em todos, sem exceção. Somente quando os ímpios deixarem de existir Ele será em todos, porque apenas os salvos existirão, aqueles em quem ele põe o seu Espírito Santo. A evidência de inexistência futura dos ímpios é incontestável.

E aqui reside um sexto problema da visão imortalista: na ótica deles, a existência em si não é um privilégio, nem um dom de Deus, mas algo natural, pois a alma é imortal e o tormento dos ímpios é eterno. Ao invés de a obtenção de uma vida eterna ser um dom e um prêmio, qualquer um vive eternamente, seja no Céu ou no inferno. Não é estar em Deus que garante a existência, nem caminhar com Cristo que permite viver eternamente, a única distinção é entre viver eternamente no Céu ou viver eternamente no inferno, em uma existência contínua e ininterrupta.

A Bíblia, ao contrário, apresenta o fato de viver para sempre como sendo em si mesmo um dom de Deus, porque o castigo natural pelo pecado do homem é a morte (cf. Gn.3:19). Assim, ao invés de a eternidade ser algo natural, o que é natural é a morte como consequencia do pecado. O próprio fato de poder viver eternamente, então, é um dom de Deus, uma graça divina, um prêmio. É por isso que em todo o Novo Testamento vemos sempre que o foco era em conseguir a vida eterna, e não em ir morar no Céu. O contraste não era entre ter uma vida eterna no Céu e não no inferno, mas entre ter uma vida eterna ou não ter uma vida eterna.

Por fim, ainda que se tentem elaborar argumentos da mais refinada retórica e tentativas de explicações “lógicas” (muito mais baseadas na filosofia do que no amor e na justiça de Deus), “não há como justificar que o Criador irá preservar a vida de bilhões de criaturas com o único propósito de que vivam pela eternidade sofrendo por erros e faltas não perdoados, cometidos durante algumas décadas de vida sobre a terra (ou menos)[3]. E o professor Azenilto Brito completa: E há quem ensine que Deus ‘predestina’ alguns para se salvar, enquanto os que se perderem é por não terem sido assim ‘escolhidos’! Nasceram para mais tarde viver eternamente queimando... Não admira a imensa quantidade de ateus, agnósticos  e materialistas que têm povoado este planeta[4].

Qual a finalidade em deixar queimando eternamente bilhões e bilhões de criaturas, ainda mais quando já pagaram por aquilo que merecem? Qual a finalidade em preservar a vida nestes casos, o que também teria como consequência a não-erradiação do pecado (pois haveria para sempre um “ponto negro” no inverso, cheio de pessoas blasfemando)? Se já pagaram de acordo com os seus pecados, então por que não aniquilar de vez com o pecado, mas, ao invés disso, manter em tormento eterno a alma de alguma pessoa sem qualquer finalidade em si mesma, em um processo que nem sequer tem um fim? Estariam “pagando a mais” pelo que? Por que perpetuar ao invés de colocar um fim completo no pecado e nos pecadores? Como disse Bacchiocchi:

“A intuição moral que Deus implantou em nossas consciências não pode justificar a insaciável crueldade de uma divindade que sujeita os pecadores ao tormento eterno. A justiça divina nunca poderia requerer para  pecadores finitos a infinita penalidade da eterna dor, porque o tormento infindável não serve a qualquer propósito reformatório, precisamente porque não tem fim”[5]

Por tudo isso e muito mais, a noção de um inferno de fogo eterno, que nunca completará sua obra destrutiva, é completamente incompatível com a noção de que Deus é amor e justiça. Na nova criação, todo o pecado será completamente aniquilado, quando tudo se fizer novo. Não haverá mais tristeza, nem choro, nem morte, nem luto, nem dor (cf. Ap.21:4). Se até mesmo quando alguém querido daqui da terra morre e é sepultado, pensando-se que foi para o Céu, já há luto, quanto mais sabendo que no exato momento algum familiar seu está sofrendo e vai sofrer mais ainda para todo o sempre no inferno, sob torturas colossais! Como não estar de “luto” ou “tristeza” numa circunstância dessas?

Felizmente, a mensagem bíblica é de que apenas os justos herdarão a imortalidade, pois somente eles desfrutarão da árvore da vida no Paraíso de Deus:

“No meio da sua praça, e de um e de outro lado do rio, estava a árvore da vida, que produz doze frutos, dando seu fruto de mês em mês; e as folhas da árvore são para a saúde das nações... Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas” (cf. Apocalipse 22:2,14)

A árvore da vida é um símbolo de imortalidade (cf. Gn.3:22), que só será desfrutada pelos remidos, e após a ressurreição dentre os mortos (cf. Ap.22:2,14). Neste momento, a árvore da vida, símbolo do dom da imortalidade, estará disponível aos salvos novamente, que dela comerão, e que reinarão com Cristo para todo o sempre.

“E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas; E o que estava assentado sobre o trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E disse-me: Escreve; porque estas palavras são verdadeiras e fiéis” (cf. Apocalipse 21:4,5)

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)

Extraído de meu livro: “A Lenda da Imortalidade da Alma”


-Artigos relacionados:


-Não deixe de acessar meus outros sites:

Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
Heresias Católicas (Artigos sobre o Catolicismo Romano)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Preterismo em Crise (Refutando o Preterismo Parcial e Completo)




[1] Essa palavra significa, de acordo com o léxico da Concordância de Strong, apenas “do Céu”, mais nada além disso, sem ir além da atmosfera terrestre, e seria a palavra exata para Pedro usar caso ele cresse que o que apssará por transformação na Nova Ordem é apenas a terra e a atmosfera terrena, e não todo o Universo.
[2] BACCHIOCCHI, Samuele. Imortalidade ou Ressurreição: Uma abordagem bíblica sobre a natureza e o destino eterno. Unaspress, 1ª edição, 2007.
[3] BRITO, Azenilto Guimarães. Um fogo eterno que não queima para sempre. É possível? Disponível em: <http://www.c-224.com/Aa_FogoEterno.html>. Acesso em: 30/08/2013.
[4] ibid.
[5] BACCHIOCCHI, Samuele. Imortalidade ou Ressurreição: Uma abordagem bíblica sobre a natureza e o destino eterno. Unaspress, 1ª edição, 2007.
Share:

Um comentário:

  1. sabemos que ainda existem pessoas que compartilha e divide o pão.

    ResponderExcluir

A sua mensagem passará por moderação e em seguida será exibida ao público.

Curta no Facebook

Receba os novos posts por e-mail

Arquivo do blog

Comentários Recentes

Labels

Blog Archive