Desmistificando a lenda de uma alma imortal

1 de setembro de 2013

Nós somos uma alma ou possuímos uma?


I–Conceitos com relação à alma

Dualismo – A visão do ser humano no contexto imortalista é que este possui uma natureza dualista, isto é, tem um corpo e possui uma alma [nephesh, no hebraico, psiquê, no grego], que seria imortal e estaria presa dentro do corpo e que é liberta por ocasião da morte deste, indo imediatamente para o Céu ou para o inferno, durante toda a eternidade. Na ressurreição, apenas o corpo morto ressuscita, pois a alma imortal já está lá, liberta do corpo, há muito tempo, religando-se a este por ocasião da ressurreição dos mortos que se dá no momento da segunda vinda de Cristo (cf. 1Co.15:22,23).

Essa é a visão dualista da natureza humana, de imortalidade da alma. Noutras palavras, você é uma pessoa que tem outra “pessoa” dentro de você. A visão tricotomista do ser humano ensina o mesmo contraste dualista de corpo e alma e prega que nós somos um espírito, possuímos uma alma e moramos em um corpo. Portanto, ambas as visões – dualista e tricotomista – serão refutadas da mesma forma, visto que possuem os mesmos conceitos básicos sobre a constituição da natureza humana.

Holismo – O conceito holista da natureza humana prega, ao contrário da imortalidade, que o ser humano não tem uma alma: ele é uma alma. Ele vive como uma alma, ele morre como uma alma. Uma alma vivente significa apenas um “ser vivo”. Nós não temos uma alma imortal presa dentro do nosso corpo que é liberta por ocasião da morte. A morte é o último inimigo a ser vencido (pelo fator “ressurreição”), e não o libertador da “alma imortal” (cf. 1Co.15:26). Pessoas morrem, pessoas ressuscitam.

Corpo, alma e espírito são características da mesma pessoa e não pessoas separadas. O espírito é o princípio ativador da vida, é aquilo que dá animação ao corpo, é o sopro de Deus por meio do qual respiramos e somos seres (almas) viventes. É esse o simplismo bíblico sobre a criação da natureza humana, que elimina os complexos malabarismos propostos por Platão em sua tese sobre a natureza dualista e a sobrevivência da alma após a morte em um estado consciente.


II–Qual é o conceito correto?

“E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem tornou-se uma alma vivente” (cf. Gênesis 2:7)

Eis aí a passagem bíblica acerca da criação do ser humano, que nos dá um perfeito entendimento dos conceitos bíblicos de corpo, alma e espírito. É aqui que entra em cena algo muito desconhecido pela maioria das pessoas: biblicamente, o homem não tem uma alma, ele é uma alma. Ele “TORNOU-SE” uma alma e não “obteve” uma!  A alma é o que o homem passou a ser, e não o que ele obteve de Deus. O corpo é a alma em sua forma exterior. A ideia hebraica de personalidade é a de um corpo animado pelo fôlego de vida (espírito) que alimenta o corpo, e não de uma alma presa dentro deste corpo. Assim, podemos entender que:

“E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra [corpo], e soprou em suas narinas o fôlego de vida [espírito], e o homem tornou-se uma alma vivente [alma] (cf. Gênesis 2:7 – grifo meu)

A passagem bíblica que relata a criação do ser humano também nos deixa um sentido claro de corpo, alma e espírito. Nenhum é um elemento que Deus implantou no homem, imaterial e imortal, que saia dele após a morte, com consciência e personalidade. O espírito é tão somente o fôlego de vida que Deus soprou em nós e que o possuímos pela duração de nossas vidas terrenas. Nós permanecemos com este fôlego que nos concede respiração para continuarmos vivos durante a nossa existência terrestre, mas, quando este sopro se vai, as “almas viventes” tornam-se “almas mortas”.

O que retorna a Deus é o princípio de vida que ele soprou em nós a fim de conceder animação ao corpo formado do pó, e não uma alma imortal. Este princípio animador da vida é possuído tanto por homens como por animais (cf. Gn.6:17; Gn.7:21,22; Ec.3:19,20; Gn.7:15; Sl.104:29). Este princípio é garantido tanto aos seres humanos quanto aos animais pela duração de sua existência terrena. A alma, no conceito bíblico, é que o ser humano “tornou-se” e não “obteve”. Deus não colocou uma alma no homem. Por isso mesmo, morrendo o homem, morre a alma (cf. Nm.31:19; 35:15,30; Js.20:3, 9; Gn.37:21; Dt.19:6, 11; Jr.40:14, 15; Jz.16:30; Nm.23:10; Ez.18:4; Ez.18:21).

Já a visão dualista em sua totalidade defende que o sopro de vida que Deus soprou em nossas narinas é a própria alma imortal implantada no ser humano. Sendo assim, o sopro de Deus em nossas narinas é o espírito (alma) imortal implantado nele, totalmente independente do corpo, preso dentro dele e liberto após a morte, com consciência e personalidade. Sendo assim, a narrativa de Gênesis 2:7 deveria ser entendida da seguinte maneira:

“E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra [corpo], e soprou em suas narinas o fôlego de vida [espírito/alma imortal], e o homem tornou-se uma alma vivente” (cf. Gênesis 2:7 – grifo meu)

Essa é, contudo, uma interpretação tendenciosa que deturpa completamente a clareza do texto bíblico. Não é necessário ser nenhum grande teólogo para perceber que tal interpretação é inválida pelo fato que adultera os sentidos primários de corpo, alma e espírito, que são deixados de maneira bem clara na narrativa da criação da natureza humana em Gênesis 2:7. Além de ignorar o fato de que a primeira vez que alma [nephesh] é mencionada na Bíblia é relacionado ao próprio ser humano como um todo, tornando-se uma alma e não obtendo uma, também altera nephesh para o meio do versículo quando na realidade ela é claramente relacionada ao final deste. Tudo não passa de uma completa manipulação bíblica textual.

A passagem da criação do homem coloca nephesh no fim do verso, e não no meio como querem os imortalistas. A alma é o que o homem “tornou-se”; o “espírito” é o que foi soprado nele para dar animação ao corpo formado do pó. Pelo fato de Deus não ter revelado a Moisés uma realidade dualista do ser humano, este narra simplesmente o princípio animador da vida dando animação a uma “alma vivente”. Esse total simplismo bíblico nega inteiramente que a natureza humana seja dualista, composta por uma alma imortal e por um corpo mortal. A revelação de Deus a Moisés incluiu apenas um corpo proveniente do pó tornando-se animado, sem qualquer tipo de alma sendo ingerida dentro da substância corporal para lhe conceder imortalidade.

Com a implantação do sopro de Deus em nossas narinas, o homem tornou-se uma “alma vivente”, e não uma “alma imortal”! Ora, se a interpretação correta fosse a dualista, então a sequência imediata de tal passagem seria que o homem tornou-se (ou melhor, “obteve”) uma “alma imortal”, “imaterial”, pois o termo “alma vivente” após a implantação do espírito-ruach implica que pode se tornar “alma morta” após a retirada do espírito-ruach. Isso é somente lógica.

Quando a Bíblia diz que em resultado do sopro divino “o homem tornou-se uma alma vivente”, ela está dizendo apenas que o corpo formado literalmente do pó da terra ganhou animação e se fez um ser vivo, que respira – nada além disso. O sangue (vitalidade da alma – cf. Lv.17:11; Gn.9:4,5) começou a circular, o cérebro começou a raciocinar e o coração a bater, com todos os sinais ativados. O homem tornou-se uma “alma vivente”, ou seja, ou ser vivo, que deixa de existir na morte e volta à existência na ressurreição gloriosa.

Não houve um componente imaterial e imortal colocado no ser humano. Declarado em termos simples, “uma alma vivente” significa “um ser vivo”, e não “uma alma imortal”! Evidentemente a alma é considerada “vivente” enquanto vive, passando a ser “alma morta” por ocasião da retirada do fôlego de vida [espírito] no falecimento. Uma alma vivente significa simplesmente um ser vivo, que morre. Alma é vista como a natureza humana como um todo, e não como uma parte do ser humano separada do corpo e presa dentro deste.

A forte tentativa de ignorar o simplismo bíblico no relato da criação humana não provém de alguma razão teológica (de fato, os imortalistas fazem de tudo para colocar uma “alma imortal” no relato da criação onde não aparece nada disso), mas sim porque negam em aceitar o fato óbvio de que a narração da criação traz uma natureza holista e não dualista do ser humano. Isso, evidentemente, os faria negar a sua crença de que Deus tenha implantado no homem um elemento eterno lhe concedendo imortalidade, o que daria um fim na doutrina do “estado intermediário” e do tormento eterno.

Que nephesh não é o próprio espírito [ruach, no hebraico] implantado no ser humano com imortalidade e personalidade, isso fica muito bem claro na Bíblia Sagrada, embora sejam coerentes em alguns de seus sentidos secundários. A ignorância em aceitar o sentido claro de corpo, alma e espírito de acordo com a Bíblia segundo Gênesis 2:7 causa, além de adulterações no sentido do texto, uma confusão ainda maior para solucionar os problemas depois, por causa da interpretação tendenciosa e errônea por parte dos dualistas.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)

Extraído de meu livro: “A Lenda da Imortalidade da Alma”


-Artigos relacionados:


-Não deixe de acessar meus outros sites:

Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
Heresias Católicas (Artigos sobre o Catolicismo Romano)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Preterismo em Crise (Refutando o Preterismo Parcial e Completo)
Share:

20 comentários:

  1. Meu amigo, então como explicar quando a pessoa acorda e vê o próprio corpo na cama? Vi um monte de gente ter isso e isso estava querendo acontecer comigo mas não deixei repreendi e forcei para não acontecer, como se explica isso então?

    ResponderExcluir
  2. Se você conseguiu repreender, é porque não era seu "espírito", mas uma influência demoníaca. Satanás tem poder para passar visões falsas que se parecem bem realistas para aqueles que a detém.

    ResponderExcluir
  3. Quando a pessoa for morrer e ser codenado morrer a alma como fica a pessoa serio queria sabem

    ResponderExcluir
  4. Fica morto até ressuscitar, então passa pelo juízo no geena onde paga o tanto respectivo pelos pecados e então é aniquilado na segunda morte.

    ResponderExcluir
  5. Mas oque aconteceu com Jesus? A Trindade deixou de ser três depois da morte de Cristo?

    ResponderExcluir
  6. Depende da sua visão teológica sobre a união hipostática.

    ResponderExcluir
  7. Amigo, muito edificante seus estudos, espero conseguir adquirir seu livro.

    ResponderExcluir
  8. Amigo, excelente e edificante estudo. Que DEus lhe abençoe, espero conseguir adquirir o seu livro.

    ResponderExcluir
  9. Muito obrgiado! Se quiser pode baixar gratuitamente o livro em algum dos links abaixo:

    https://mega.nz/#!2sAU1KBb!n_ELi0WgesoOeojNQe6Zgc2E_fBkDOf3qx72eFZU73k

    http://www.mediafire.com/download/vj4yjx53cfbjubj/A+Lenda+da+Imortalidade+da+Alma.docx

    Abs!

    ResponderExcluir
  10. Tenho a mesma dúvida do Layon Silva. Jesus ficou 3 dias morto? Ele também era apenas alma vivente enquanto estava na terra? Mas se era o Filho de Deus, não já era imortal? Minha cabeça ficou confusa agora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jesus veio como homem, morreu como homem e ressuscitou como homem.

      “Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus, que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens. E, sendo encontrado em forma humana, humilhou-se a si mesmo e foi obediente até à morte, e morte de cruz!” (Filipenses 2:5-8)

      Excluir
  11. Completando a minha dúvida, Jesus só ressuscitou ao 3o dia, mas ao ladrão na Cruz Ele disse: Hoje estarás comigo no paraíso. Já me falaram que nesta frase tem uma vírgula que mudaria o seu sentido, mas eu pesquisei e no original a vírgula não existe. Então como explicar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, a vírgula não existe, e por isso mesmo não há a necessidade de pontuar da forma que os imortalistas fazem (com a vírgula antes do "hoje"). Veja aqui:

      http://desvendandoalenda.blogspot.com.br/2013/07/estudo-completo-sobre-lucas-2343-hoje.html

      Excluir
  12. Eu posso concordar com vc sobre o fato de sermos alma que temos um espírito e habitamos num corpo, mas esta incompleto a explicação pois há a necessidade de explicar a parabola que Jesus conta sobre o rico e o lazaro, mostrando ser algo que acontece realmente apesar de ser uma parábola, e também o fato de Jesus Ter Dito para o ladrao, que naquele mesmo dia o ladrao que confessou ser pecador, estaria Com Jesus após a morte da cruz.... o que vc me diz?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre a parábola do rico e Lázaro:

      http://desvendandoalenda.blogspot.com.br/2013/07/estudo-completo-e-aprofundado-sobre.html

      Sobre o ladrão da cruz:

      http://desvendandoalenda.blogspot.com.br/2013/07/estudo-completo-sobre-lucas-2343-hoje.html

      Excluir
  13. Tão claro esse estudo,a bíblia mesmo é bem clara nos textos q ele apresenta nesse texto. Se lermos a bíblia com sinceridade e deixarmos o Espírito Santo nos ensinar, sem dúvidas teremos o verdadeiro conhecimento do q o Senhor qr nos passar. É impressionante como alguns distorcem a palavra do Criador.

    ResponderExcluir
  14. Lucas e a salvação que Jesus prega fica aonde no seu raciocínio? E o hades citado na bíblia,saio de Abraão, Paraíso...o ladrão da Cruz?
    Que o próprio Deus da paz os santifique inteiramente. Que todo o espírito, a alma e o corpo de vocês sejam preservados irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.
    1 Tessalonicenses 5:23???????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Lucas e a salvação que Jesus prega fica aonde no seu raciocínio?"

      Não entendi, o que imortalidade ou mortalidade da alma tem a ver com a salvação?

      "E o hades citado na bíblia,saio de Abraão, Paraíso...o ladrão da Cruz?"

      Sobre o Hades/Sheol:

      http://desvendandoalenda.blogspot.com.br/2013/08/significado-biblico-de-sheolhades.html

      Sobre o ladrão da cruz:

      http://desvendandoalenda.blogspot.com.br/2013/07/estudo-completo-sobre-lucas-2343-hoje.html

      "1 Tessalonicenses 5:23???????"

      Aqui:

      https://www.youtube.com/watch?v=63DecFjmKzs

      Excluir
  15. Amado irmão. Que a Paz do Senhor seja convosco. Estou, pela graça de Deus, há vinte anos na presença do Senhor através do evangelho de Cristo. Até hoje paira sobre mim esta dúvida: ao morrer, o espírito (fôlego da vida) volta ao criador, descemos à cova, toda a matéria apodrece, enfim, deixemos de existir. Pois bem. Se no juízo ouviremos a voz "Despertas, oh! tu que dormes". Receberemos então um novo corpo (incorruptível) e nos apresentaremos ante o juízo. Pergunto: Haverá o chamado e alguem o ouvirá. Quem é que ouvirá esse chamado? Ele deve estar em algum lugar, né mesmo? Ora, quem se apresentará diante de Deus para ser julgao se deixamos de existir totalmente com a subida do espirito para o criador e o apodrecimento da matéria? É claro que existe sim um terceiro elemento na nossa existência fisica na terra. Chama-se "Alma", postada em nós pela nossa consciência concedida por Deus para concretizar o seu próposito de nos criar "conforme a sua imagem segundo a sua semelhança".È ela que dorme quando morremos. Esqueceram de dizer isto ou também são confusos. Ele não nos fez um boneco, Ele nos caracterizou com raciocínio e consciência para decidirmos pelo "certo" e pelo "errado" enquanto em vida. São estas duas últimas que constituem a alma, o objeto do nosso julgamento. Me perdoe irmão, mas um boneco simplesmente animado sem consciência do que faz, acredito que não seja também responsável pelos seu. e, consequentemente, não pode ser julgado. Deus é justo e fiel. Ainda no mesmo contexto, a alma é que mermanece em repouso e não o corpo. Portanto, a alma é a segunda parte, importantíssima, que constitue o corpo humano. Que Deus continue abençoando a cada um, para a sabedoria que vem do alto, amém.

    ResponderExcluir

A sua mensagem passará por moderação e em seguida será exibida ao público.

Curta no Facebook

Receba os novos posts por e-mail

Comentários Recentes

Labels