Desmistificando a lenda de uma alma imortal

10 de dezembro de 2012

Lucas 23:43 e o ladrão da cruz - Parte 1


__________________________________________________________________
Atenção: este artigo foi revisado e ampliado com ainda mais argumentos, para conferir a compilação final clique aqui.
__________________________________________________________________

Muito tem se alegado de que Jesus teria dito ao ladrão da cruz que “hoje estarás comigo no Paraíso”(Lc.23:43), ignorando a declaração anterior, que afirma que em verdade te digo hoje... estarás comigo no Paraíso” (Lc.23:43). Com isso, eles colocam o ladrão da cruz no Paraíso naquele mesmo dia junto a Cristo, interpretação essa que entra em conflito com uma série de fatos que você pode conferir neste artigo, dentre as quais podemos destacar: 

1º O fato de que Jesus, após três dias morto, declarou a Maria Madalena que ainda não havia subido ao Pai (Jo.20:17). Ora, se Jesus não havia subido ao Pai neste tempo, então obviamente Ele não esteve com o ladrão da cruz no dia da sua crucificação.

2º O fato de que, comumente, os crucificados levavam horas ou dias agonizando na cruz, e que o tempo contado da forma judaica dava o dia como terminado às 18:00. Sendo que Jesus morreu às 15:00 (“hora nona” – Mt.27:46), o ladrão da cruz teria apenas um curto período de menos de 3:00 para ter morrido, o que entra em conflito com as diversas evidências que temos de que o tempo que um crucificado agonizava na cruz era muito maior. Note que os soldados romanos apenas cortaram as pernas dos crucificados (Jo.19:32), com a intenção de deixá-los sofrendo por mais tempo; se quisessem uma morte instantânea bastava ter acertado a lança no fígado ou no coração deles. 

3º O fato de que a Bíblia consta que Jesus passou no Hades (Sheol) os três dias em que esteve morto (At.2:27), e que este local está em contraste com o Paraíso (Mt.11:23; Ef.4:9; Mt.12:40), não sendo o mesmo lugar, mas estando em oposição a ele (“será elevada até o Céu? Não, você descerá até o Hades” – Mt.11:23). Portanto, se Jesus passou os três dias em que esteve morto no Hades, e o Hades não é o Paraíso, mas está em contraste e oposição a ele, então ele não esteve com o ladrão da cruz no Paraíso naquele mesmo dia. A evidência bíblica é que Jesus adentrou o Paraíso na sua ascensão, não na sua morte (Jo.20:17; At.2:27; At.1:9-11). Tendo em vista tudo isso, já se torna óbvio que o ladrão da cruz não esteve com Cristo naquele mesmo dia no paraíso. 

Para falar a verdade, eu nem deveria perder o meu tempo mostrando mais provas de que a vírgula deve ser colocada depois do “hoje”, pois essa é a única opção que está bem ligada e relacionada com todos os demais fatos e acontecimentos bíblicos. Se a vírgula é antes do “hoje”, então temos uma série de contradições insolucionáveis, mas que os imortalistas estão dispostos a encarar, somente para não abrir mão de uma de suas maiores “provas”. Mas se a vírgula é depois do “hoje”, isso faz total coerência com todos os demais acontecimentos bíblicos e históricos que vimos acima (e muitos outros mais). A Bíblia continuaria livre de contradições, e tudo faria um completo sentido lógico e coerente. 


-A Gramática: 

Ainda que o texto original não possua vírgulas, a forma linguística em que ele é escrito nos ajuda a desvendarmos qual é o seu real sentido na passagem em pauta. No português, quando traduzimos a frase podemos colocá-la antes ou depois do advérbio “hoje” (como vimos acima), e ambas as traduções aparentemente podem dar sentido real a frase. Contudo, quando pegamos os manuscritos originais no grego e ponderamos em onde colocar a vírgula, tal não faz sentido se ela for colocada antes do “hoje”, como querem os imortalistas.  

Por quê? Simplesmente porque isso criaria um dilema de primeira ordem por falta de lógica no próprio texto. Grande parte dos tradutores simplesmente ignora a palavra μο = de mim. Sem considerar esta palavra o sentido original do foi dito se perde. Vejamos uma tradução do verso palavra por palavra:

κα
 = επεν = disse ατ = a ele μήν = amém σοι = a ti λέγω = digo σήμερον = hoje μετ᾿ =depois μο = de mim σ = serás ν = em τ = o παραδείσ = paraíso. 

A palavra μετ᾿ significa “comigo”, como também significa “depois”, se você considerar que μετ᾿ está no sentido de “comigo”. Necessariamente, temos que ignorar a palavra μο = de mim. Comigo de mim, não faz sentido algum. A vírgula não pode ficar antes de “hoje”. A vírgula deve ser colocada após o “hoje” e também após o “depois”. Considerando todas as palavras como elas são literalmente e traduzindo corretamente, o sentido original do foi dito fica muito claro:
  
“E disse a ele; Amém, a ti digo hoje, depois, de mim serás em o Paraíso”. Depois de todas as coisas concluídas, o ladrão com certeza absoluta será do nosso Salvador. Jesus entregou ao ladrão da cruz a promessa de que este estaria no Paraíso. ‘Hoje’ é o momento em que esta promessa lhe foi dita. Naquele momento Cristo assegurou a ele tal promessa. Mas em resposta a que foi feita a promessa?

Verso 42... μνήσθητί = Lembra-te μου = de mim 
ταν = quando λθς = vier ες = em τν = oβασιλείαν = Reino σου = de ti. 

“Lembra-te de mim quando vier em o reino de ti”. O ladrão tinha dúvida se aquilo poderia ser possível e, por isso, seu pedido a Jesus foi que este se lembrasse dele, não quando morresse, mas quando Ele viesse em seu poder visível. Então, naquele momento, o hoje, Cristo lhe deu esta certeza. Ele lhe garantiu: “depois, de mim serás no Paraíso”. 

A preposição μετ indica um tempo – depois; após; além de. Depois que todas as coisas forem concluídas, quando Cristo vier na Sua Glória, o ladrão será propriedade do Senhor Jesus. Naquele momento, o ‘hoje’ do verso, o ladrão recebeu a certeza de que no futuro, estaria com Cristo no Paraíso.  

μο ou μου é um pronome na primeira pessoa do singular, que não pode ser ignorado. No grego a pontuação não é absolutamente necessária para a compreensão textual, mas no português se você não organizar as palavras da maneira correta e usando a pontuação, o texto fica sem nenhum sentido, e ainda dá margens para más interpretações.


-Os Pais da Igreja e Manuscritos Antigos: 

Como já foi demonstrado, no original grego (Koiné) que a Bíblia foi escrita não existia vírgulas, o que dá margens para os tradutores as colocarem de acordo com as suas tradições religiosas. Mas, posteriormente, o grego passou a ter vírgula, e como era costume dos Pais da Igreja citarem constantemente as Escrituras em seus próprios escritos, eles transcreveram o texto de Lucas 23:43 da forma mais coerente que vimos acima: “Em verdade te digo hoje: estarás comigo no Paraíso”. Por exemplo, Hesíquio de Jerusalém, que foi um cristão presbítero e exegeta do quinto século d.C, transcreveu essa passagem de Lucas 23:43 da seguinte maneira: 

“Verdadeiramente eu lhe falo hoje [1] 

Teofilacto declarou o mesmo ao escrever Lucas 23:43 do seguinte modo:
 “Verdadeiramente Eu lhe falo hoje” [2] 

Como vemos, os próprios Pais da Igreja de épocas posteriores (onde já existia a vírgula) reconheciam que Jesus lhe falava “hoje” que o ladrão estaria com Ele no Paraíso, e não que o ladrão estaria no Paraíso naquele mesmo dia. Vale ressaltar um detalhe importante: a maioria dos Pais da Igreja, especialmente a partir do terceiro século d.C, começaram a adotar a tese da imortalidade da alma, contrariando a visão de dois séculos de Cristianismo (o que você pode conferir clicando aqui). Isso significa que estes Pais da Igreja, mesmo sendo imortalistas, reconheciam que a forma gramatical do grego apontava que a vírgula deveria ser colocada depois do “hoje” 

O mesmo acontece nos dias de hoje: vários imortalistas já abandonaram este “argumento de Lucas 23:43”, uma vez que perceberam que a passagem pode perfeitamente ser entendida e interpretada dentro do prisma mortalista, sem qualquer problema. A interpretação de que Lucas 23:43 é uma “prova” da imortalidade da alma só começou a surgir vários séculos depois, quando começaram a pedir provas bíblicas que fundamentassem essa doutrina, e, sem encontrar quase nenhuma, tiveram que apelar para passagens como essa, que nem mesmo os primeiros imortalistas lançaram mão dela, entendendo que a pontuação realmente era contra, e não a favor da tese deles neste texto. 

Vale também ressaltar que não foram apenas os Pais da Igreja que entenderam que a vírgula em Lucas 23:43 deve ser colocada antes do “hoje”, pois muitos outros manuscritos antigos atestam o mesmo. Os Manuscritos Bc e Sy-C, Antigo Siríaco, que são grandemente respeitados na comunidade acadêmica e apologética e que datam do terceiro século AD, sendo um dos manuscritos do NT mais importantes que temos até hoje, verte o texto de Lucas 23:43 colocando a vírgula depois do “hoje”: 

"Eu digo a você hoje, que Comigo tu deve está no Jardim de Éden" [3] 

Até mesmo o Evangelho de Nicodemos, escrito ainda no segundo século AD (portanto, bem próximo aos apóstolos), também faz referência direta à passagem de Lucas 23:43, e traduz da seguinte forma: 

"E Ele disse a ele: 'Hoje Eu lhe conto a verdade, que Eu devo o ter em Paraíso Comigo.'; ‘E imediatamente Ele disse a mim: Amém, amém, hoje Eu lhe falo,  você estará comigo no Paraíso’” [4] 

Importante lembrar que qualquer um que leia o Evangelho apócrifo de Nicodemos irá perceber que ele adota a linha da imortalidade da alma (uma característica própria de evangelhos e obras apócrifas), mas mesmo assim reconhece que a vírgula na passagem em pauta deve ser colocada depois do “hoje”, e não antes. Portanto, eu não estou aqui mostrando “traduções dos mortalistas e das testemunhas de Jeová”, eu estou aqui mostrando as traduções mais antigas dos mais antigos manuscritos bíblicos, obras antigas e dos Pais da Igreja, mesmo dos imortalistas, e todos eles concordam que a vírgula deve ser colocada depois do “hoje”! 

E para fechar o caixão deles de uma vez por todas (de tantas provas fica até cansativo continuar), o próprio Vaticanus 1209, um dos melhores manuscritos gregos do Novo Testamento, que data do século IV d.C e que é uma das fontes pelas quais os estudiosos mais trabalham na identificação do original do NT, traz o seguinte em Lucas 23:43: 


Note que no texto grego há um ponto depois da palavra “semeron” (dia), e não antes dela! Este Condex Vaticanus foi considerado por Westcott e Hort como o melhor manuscrito grego do NT, e é também um dos manuscritos mais antigos da Bíblia, sendo inclusive mais antigo do que o Codex Sinaiticus. É interessante também os comentários do erudito Earle Ellis em sua obra “The Gospel of Luke”, no comentário da Bíblia New Century: 

“Alguns manuscritos produzidos razoavelmente cedo colocam a vírgula depois de ‘hoje’ e assim, continuam com a referência a parousia do verso 42” [5] 

Isto, sem dúvida, mostra que este erudito sabe a respeito da pontuação no Ms Vaticanus em Lucas 23:43, bem como em outros respeitados manuscritos antigos. Sendo assim, chega a ser cômico e engraçado algum imortalista vir a mim e, na maior cara de pau, afirmar que somos nós mortalistas que “adulteramos” a Bíblia na tradução de Lucas 23:43, colocando a vírgula antes do “hoje”. Que “prova” que ele tem a favor do lado dele? Ele tem João Ferreira de Almeida, e nós temos a gramática e exegese do grego original, a tradução dos Pais da Igreja neste texto, as obras antigas pseudoepígrafes, os manuscritos do Antigo Síriaco, os manuscritos do Condex Vaticanus, etc, etc, etc.  

Chega a ser até uma covardia debater sobre Lucas 23:43 com essa gente. Na verdade, tudo o que eles tem é a obstinação deles em ter que aceitar essa tradução errônea de Lucas 23:43, para dar uma “base” e uma “carinha cristã” a uma doutrina que Jesus jamais pregou – a imortalidade da alma. Elestêm que se agarrar nela, ou senão essa heresia ficaria ainda mais escancarada. Em síntese, o imortalista que quiser vir aqui e comentar qualquer coisa sobre este artigo, antes de tentar refutar uma única linha ele terá que ter em mente que, se a vírgula deve ser colocada antes do “hoje”, então... 

1º Jesus já havia subido ao Pai em João 20:17. 

2º O ladrão da cruz levou menos de três horas para morrer. 

3º Hades e Paraíso são tudo a mesma coisa. 

4º Devemos ignorar a palavra μο (=de mim), que está no original grego exatamente para dar ênfase ao fato de que a vírgula deve ser colocada depois do “hoje”, e não antes. 

5º Os Pais da Igreja que transcreveram Lucas 23:43 com a vírgula, colocando ela antes do “hoje”, estão todos adulterando a Bíblia para o lado mortalista, mesmo sendo imortalistas!

6º As obras cristãs dos primeiros séculos que sobreviveram até hoje e reproduziram Lucas 23:43 colocando a vírgula depois do “hoje” também estão todas adulterando a Bíblia. 

7º Os Manuscritos Bc e Sy-C, Antigo Siríaco, embora sejam altamente respeitados, adulteraram Lucas 23:43 descaradamente. 

8º O Condex Vaticanus, que é considerado por muitos eruditos como o melhor e mais fidedigno manuscrito antigo do NT, também adulterou Lucas 23:43, pois posicionou a vírgula depois do “hoje”, e não antes. 

Está lançado o desafio para qualquer imortalista que se julgue o “sabichão” da Bíblia porque um tal de João Ferreira de Almeida, no século XVI depois de Cristo, traduziu em língua portuguesa Lucas 23:43 da forma que eles querem (risos). Se quiserem assinar os oito pontos acima e esbanjarem qualquer tentativa de refutação, que o façam no mesmo nível deste artigo, ou seja: 

1º Quero ver manuscritos bíblicos antigos no mesmo nível de autoridade do Condex Vaticanus e que coloquem a vírgula antes do “hoje”. 

2º Quero ver Pais da Igreja que transcreveram Lucas 23:43 colocando a vírgula antes do “hoje”. 

3º Quero ver obras cristãs ou pseudoepígrafes que datem dos primeiros séculos e que transcreveram Lucas 23:43 com a vírgula antes do “hoje”. 

4º Quero ver um estudo completo e aprofundado na gramática do original grego que refute tudo aquilo que foi demonstrado aqui. 

5º Quero ver provas de que Jesus mentiu para Maria Madalena em João 20:17 e que já tinha subido ao Pai, se encontrado com o ladrão da cruz três dias antes no Paraíso, depois ido para o Hades (que não é o Paraíso), e depois voltado, e dito que ainda não tinha subido! 

Mas enquanto estes imortalistas que se acham os donos da bola de cristal continuarem tendo como única “prova” as traduções de João Ferreira de Almeida e companhia limitada em séculos recentes e em línguas que nem sonhando algum apóstolo falava, estarão apenas assinando embaixo o quanto que a interpretação deles de determinados textos bíblicos é extremamente tendenciosa e forçada ao ponto de eu pensar que isso é mais desonestidade do que simples ignorância e falta de informação. 

Paz a todos vocês que estão em Cristo. 

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)


-Notas e referências: 

[1] Hesichius de Jerusalem, em Patrologia Grega, Volume Noventa e Três, 1433. 

[2] Teofilacto em Patrologia Grega, em Patrologia Grega, Volume Cento e Vinte e Três, 1104. 

[3] Manuscritos Bc e Sy-C - Antigo Siríaco. 

[4] Evangelho de Nicodemos – segundo século d.C. 

[5] Publicado por Wm.B.Eerdmans Publishing Co. Grand Rapids Michigan, reprint of 1983.


-Artigos relacionados:


-Não deixe de acessar meus outros sites:

Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
Heresias Católicas (Artigos sobre o Catolicismo Romano)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Preterismo em Crise (Refutando o Preterismo Parcial e Completo)
Share:

4 comentários:

  1. O problema é colocar isso na cabeça dos imortalistas...

    ResponderExcluir
  2. Pra Sandra Campello21 de janeiro de 2017 11:23

    Esse texto só aprimora minha certeza de que Nós vivemos no Tempo Cronos e a Eternidade está totalmente oposta à nós no Tempo Kairos.
    O Hoje na Eternidade não tem como ser medido por nenhuma razão Humana.
    Deus abençoe vocês

    ResponderExcluir

A sua mensagem passará por moderação e em seguida será exibida ao público.

Curta no Facebook

Receba os novos posts por e-mail

Comentários Recentes

Labels